Quem?

Minha foto
"Eu triste sou calada Eu brava sou estúpida Eu lúcida sou chata Eu gata sou esperta Eu cega sou vidente Eu carente sou insana Eu malandra sou fresca Eu seca sou vazia Eu fria sou distante Eu quente sou oleosa Eu prosa sou tantas Eu santa sou gelada Eu salgada sou crua Eu pura sou tentada Eu sentada sou alta Eu jovem sou donzela Eu bela sou fútil Eu útil sou boa Eu à toa sou tua."

29 de jul de 2011

Eu já vou.

Tantos amigos. Tantos lugares. Tantas frases e livros e sentidos. Tantas pessoas novas. Indo. Vindo. Tenho só um mundo pela frente. E olhe pra ele. Olhe o mundo! É tão pequeno diante de tudo o que sinto. Sofrer dói. Dói e não é pouco. Mas faz um bem danado depois que passa(...) Mas agora, com sua licença. Não dá mais para ocupar o mesmo espaço. Meu tempo não se mede em relógios. E a vida lá fora, me chama.

Caio Fernando de Abreu

27 de jul de 2011

Nem tudo que parece ser é.

Eis que te amo como nunca me fostes dado o amor.
Te sinto como se nunca houvesse te tocado.
Te quero como nunca antes quis outro alguém.
Porque na vida há verdades insólitas e outras que parecem ser absolutas.
E me basta viver cada uma dessas verdades, para saber até onde eu conseguirei chegar em busca da felicidade serena e plena.
De tudo mais que me foi dado, a sua falta é o que renego todos os dias.
E ainda assim,continuo fiel a sua presença.
Como antes, como nunca, como sempre.
E dessa forma é que sigo, ou pelo menos finjo, que estou bem.

De mãos dadas com o meu passado.



É tanta saudade, que não cabe mais em mim.

23 de jul de 2011

E se?

E se?

Você não tivesse sentado do meu lado aquele dia?

E se?

Você não tivesse repartido comigo o seu mp3, e sua caixa de bombom?

E se?

Você não tivesse aparecido na minha vida no momento mais errado?

E se?

Eu não me apaixonasse por você?

E se?

Você não tivesse me traído aquele dia?

E se?

Eu terminasse com você naquele momento?

E se?

Você não tivesse me ensinado e me preenchido como fez tão bem?

E se?

Você fosse só mais um?

E se?

Eu não tivesse me entregado á você?

E se?

Eu não tivesse amado, você acima de todas as coisas? Acima de mim, dos meus valores , dos meus princípios?

E se?

Você acreditasse em tudo que eu falava pra você?

E se?

Eu não tivesse perdido você?

E se?

A gente tivesse brigado menos? Brigado NUNCA?

E se?

A gente falasse a mesma língua?

E se?

Tivesse existido mais respeito entre nós?

E se?

Eu não tivesse ficado com aquela pessoa, assim que terminamos? Você estaria aqui do meu lado?

E se?

Você tivesse permanecido inteiro a mim e não dela?

E se?
...

Nunca vou saber.
Nunca vou imaginar.
Nunca vou voltar no empo.
O que me interessa agora é o daqui pra frente.

22 de jul de 2011

Metade de mim....


"Que a força do medo que tenho não me impeça de ver o que anseio
Que a morte de tudo em que acredito não me tape os ouvidos e a boca
Porque metade de mim é o que eu grito, a outra metade é silêncio.
Que a música que ouço ao longe seja linda ainda que tristeza
Que a mulher que amo seja pra sempre amada mesmo que distante
Porque metade de mim é partida, a outra metade é saudade.
Que as palavras que falo não sejam ouvidas como prece nem repetidas com fervor
Apenas respeitadas
Como a única coisa que resta a um homem inundado de sentimentos
Porque metade de mim é o que ouço, a outra metade é o que calo.
Que a minha vontade de ir embora se transforme na calma e paz que mereço
Que a tensão que me corrói por dentro seja um dia recompensada
Porque metade de mim é o que penso, a outra metade um vulcão.
Que o medo da solidão se afaste
E o convívio comigo mesmo se torne ao menos suportável
Que o espelho reflita meu rosto num doce sorriso que me lembro ter dado na infância
Porque metade de mim é a lembrança do que fui, a outra metade não sei.
Que não seja preciso mais do que uma simples alegria pra me fazer aquietar o espírito
E que o seu silêncio me fale cada vez mais
Porque metade de mim é abrigo, a outra metade é cansaço.
Que a arte me aponte uma resposta mesmo que ela mesma não saiba
E que ninguém a tente complicar, pois é preciso simplicidade pra fazê-la florescer
Porque metade de mim é platéia a outra metade é canção.
Que a minha loucura seja perdoada porque metade de mim é amor
e a outra metade também."


Oswaldo Montenegro

Amor sem barraco não é amor!?

"...Se ama de verdade, nem o mais frio dos esquimós consegue escrever o “the end” com o dedinho no gelo sem uma quebradeira monstruosa.
Fim de amor sem baixarias é o atestado, com reconhecimento de firma e carimbo do cartório, de que o amor ali não mais estava.

O mais frio, o mais cool dos ingleses estrebucha e fura o disco dos Smiths, I Am Human, sim, demasiadamente humano esse barraco sem fim. O mais relaxado dos latinos se acaba no bolero de Bienvenido Granda, com suas angústias e perfumes de gardênias. O mais zen dos brasileiros acaba com os mananciais da água que passarinho não bebe. E tome Roberto, Waldick ou Chico Buarque, no caso dos mais finos.

O que não pode é sair por ai assobiando, camisa aberta, relax, chutando as tampinhas da indiferença para dentro dos bueiros das calçadas e do tempo.

O fim do amor exige uma viuvez, um luto, não pode simplesmente pular o muro do reino da Carençolândia para exilar-se, com mala e cuia, com a primeira costela ou com o primeiro traste que aparece pela frente.

Acabar numa boa é como nada tivesse havido. Conta outra que só acredito no amor dos corações em permanente barraco."



Xico Sá

21 de jul de 2011

A DOR QUE DÓI MAIS

Trancar o dedo numa porta dói. Bater com o queixo no chão dói. Torcer o tornozelo dói. Um tapa, um soco, um pontapé, dóem. Dói bater a cabeça na quina da mesa, dói morder a língua, dói cólica, cárie e pedra no rim. Mas o que mais dói é saudade.
Saudade de um irmão que mora longe. Saudade de uma cachoeira da infância. Saudade do gosto de uma fruta que não se encontra mais. Saudade do pai que já morreu. Saudade de um amigo imaginário que nunca existiu. Saudade de uma cidade. Saudade da gente mesmo, quando se tinha mais audácia e menos cabelos brancos. Dóem essas saudades todas.
Mas a saudade mais dolorida é a saudade de quem se ama. Saudade da pele, do cheiro, dos beijos. Saudade da presença, e até da ausência consentida. Você podia ficar na sala e ele no quarto, sem se verem, mas sabiam-se lá. Você podia ir para o aeroporto e ele para o dentista, mas sabiam-se onde. Você podia ficar o dia sem vê-lo, ele o dia sem vê-la, mas sabiam-se amanhã. Mas quando o amor de um acaba, ao outro sobra uma saudade que ninguém sabe como deter.

Saudade é não saber. Não saber mais se ele continua se gripando no inverno. Não saber mais se ela continua clareando o cabelo. Não saber se ele ainda usa a camisa que você deu. Não saber se ela foi na consulta com o dermatologista como prometeu. Não saber se ele tem comido frango de padaria, se ela tem assistido as aulas de inglês, se ele aprendeu a entrar na Internet, se ela aprendeu a estacionar entre dois carros, se ele continua fumando Carlton, se ela continua preferindo Pepsi, se ele continua sorrindo, se ela continua dançando, se ele continua pescando, se ela continua lhe amando.

Saudade é não saber. Não saber o que fazer com os dias que ficaram mais compridos, não saber como encontrar tarefas que lhe cessem o pensamento, não saber como frear as lágrimas diante de uma música, não saber como vencer a dor de um silêncio que nada preenche.

Saudade é não querer saber. Não querer saber se ele está com outra, se ela está feliz, se ele está mais magro, se ela está mais bela. Saudade é nunca mais querer saber de quem se ama, e ainda assim, doer.

Martha Medeiros

13 de jul de 2011

Quem está aí?

Puta Merda, ô coarção pare de doer, de dar pontadas!
O que afinal esta havendo? Que aperto é este? Saudades?
Mas queria eu saber da impaciência e ansiedade que sinto.
Queria eu saber o diagnóstico do futuro e não mais chorar, apenas sorrir.

O ar da saudade ja me confunde com o ar da desilusão,
Já não sei mais o que é. Pecador poderei ser por blasfemar contra teu amor.
Soe em meus ouvidos a verdade dos teus sentimentos.
Desperte meus olhos para o brilho dos teus.
Se já não ouço é porque estou cego e não foi por acidente, é culpa da paixão!

De tudo que senti a incerteza é a pior das sensações
A falta do desejado é o pior da esperança
A distância do próximo é a pior da ansiedade
Enxergar e não conseguir ver é o pior da necessidade
Ter e não sentir é o pior da carência.

Não encalhe no silêncio, não se amarre na solitária interior.
Pra que ocultar quem você é? Não mostrar ao mundo ou pelo menos a mim?
Do que seria o gosto do chocolate se não fosse tão desacanhado?
Desabroche Gira-sol! Estou aqui!

--
Rômulo Alcântara

Harry Potter Idol!




Só porque eu aprendi a amar e estou ligeiramente emocionada, com o final da Saga!
Domingo, estarei lá. Feliz e Contente!!

7 de jul de 2011

Adeus, pra quem fica.

É você conseguiu, disse que eu iria sofrer, e cá estou eu, morrendo por dentro.
Você é realmente bom nisso, em me fazer chorar, doer, sofrer, surtar. Só pra isso mesmo que você serviu, para mais nada. Ah não, minto, me serviu pra mostrar o tipo de homem que eu não devo escolher pra minha vida!
E que amor, não é tortura, não é desespero, nem falta de respeito, amor é qualquer outra coisa, que você não me deu.

O que eu escuto é: Ele seguiu a vida dele, e você?
Eu? Bem , eu não sei onde eu estou no momento.
Uma coisa que sei, que hoje é o último dia que eu derramo uma lágrima por você.
Nunca mais.

Hoje é minha despedida dessa dor maldita que me sufocou todo esse tempo.

6 de jul de 2011

Num pé só.

Vem e vai.
Volta e fica.
Corro e fujo.
Penso, paro, e pisco.
Toco, sinto e cheiro.
Fui, e demoro. Talvez, nem volte mais!

5 de jul de 2011

De cara limpa.

Eu nunca disse que iria ser fácil, mas difícil assim, eu não imaginava que seria.
Além de você ter se esquecido em mim, você levou todo meu amor, toda minha capacidade de se envolver , de me deixar se levada. Você me tornou cética, e vazia.
A minha taça se esvaziou. Eu, derramei até a última gota sobre você.
E hoje eu não encontro vontade para enchê-la de novo, para me embebedar em meu próprio amor.
O sentimento que tenho é de um maratonista que chega no final da corrida.
Cansaço, fadiga, ausência.
Eu estou ausente de mim. Ausente em mim.
Não tolero mais nada. Perdi a paciência.
Não quero conceder segundas, terceiras chances para o amor, ou para saber se vai dar em amor. As vezes nem "primeiras", eu me dou ao luxo. Não gosto, não quero!
Não sofro com perdas, com despedidas, nem ligo em dizer Tchau. Na verdade nem ligo de dizer Oi!
Logo eu, aquela menina que você encontrou. Tão romântica, tão apaixonada, tão envolvida, tão crente.

"Clara, a vida não é um filme, uma novela"!

Você me falava tanto isso, lembra?
Não, não é mesmo.
A minha pelo menos é bem real, viva. É gelada, é saudade.
A minha vida se resume em: Saudades.
Depois que você foi de mim( não desta vida, apenas de mim!) eu nunca mais fui a mesma. Na verdade, se me pedissem para descrever quem sou, iria pedir que primeiro me apresentassem a mim.
Você se esqueceu, me esqueceu.
Eu esqueci, me esqueci.
Nos esquecemos.
Partimos, partidos.Quebrados, ao meio.
Você se refez, ou pelo menos tem tentado. Eu sinto até uma inveja boa de você.
Queria ter essa força de vontade também.
Eu juro que não queria escrever mais nada sobre essas coisas.
Mas meu coração não deixa.
A minha razão vive em constante briga com meu amor.
Eu não quero conhecer ninguém. Mais ninguém.
Não quero tentar entender,relevar,fingir.
Pra mim, não faz mais sentido isso. (como dói escrever isso)
Eu super apoio o amor, e os relacionamentos, dos outros é claro.
Amo meus amigos em casais.
Mas eu, to bem aqui, obrigada!
Prefiro ficar no meu canto.
Melhor prevenir, do que remediar.
.
.
.
Remediar, uma OVA!!!!!
PAPO PRA BOI DORMIR!
Eu quero voltar a ser eu.
Quero amar, me apaixonar, senti frio na barriga. Mas você não deixa.
Quer dizer, você deixa, já deu a carta de auforria, no dia que me contou que estava em um novo caso. Sou eu que não me permito.
Eu que já me permitir, tantas coisas, tantas loucuras.
Tantas noites, madrugadas....E apenas isso mesmo!
Hoje não me deixo ser livre, por dentro.
Me aprisionei na minha razão, nas minhas críticas,nos meus "porquês",nos meus medos.
Talvez agora, depois de despejar essas palavras, eu me esvazie mais.
Ler o que sinto, as insanidades que venho dizendo e pensando. E assim tome tento, tome rumo, vergonha na cara , mesmo!!

Preciso revirar meus armários interiores.
Doar sentimentos.
Dividir, frustrações.
Me esvaziar dos restos, das sobras.
Limpar o porão, reformar a cozinha.
Mudar a cor da sala.
Uma cama nova pro quarto, cairia bem.
Enfim, começarei a faxina interna.
Uma pintura na alma. Um conserto na pele.

4 de jul de 2011

Minha identidade, por Cecília.

LUA ADVERSA

Tenho fases, como a lua
Fases de andar escondida,
fases de vir para a rua...
Perdição da minha vida!
Perdição da vida minha!
Tenho fases de ser tua,
tenho outras de ser sozinha.

Fases que vão e vêm,
no secreto calendário
que um astrólogo arbitrário
inventou para meu uso.

E roda a melancolia
seu interminável fuso!
Não me encontro com ninguém
(tenho fases como a lua...)
No dia de alguém ser meu
não é dia de eu ser sua...
E, quando chega esse dia,
o outro desapareceu...


Cecília Meireles
Não sejas o de hoje.
Não suspires por ontens...
não queiras ser o de amnhã.
Faze-te sem limites no tempo.
Vê a tua vida em todas as origens.
Em todas as existências.
Em todas as mortes.
E sabes que serás assim para sempre.
Não queiras marcar a tua passagem.
Ela prossegue:
É a passagem que se continua.
É a tua eternidade.
És tu.


Por Cecília Meireles.

Soneto Antigo •

Responder a perguntas não respondo.
Perguntas impossíveis não pergunto.
Só do que sei de mim aos outros conto:
de mim, atravessada pelo mundo.

Toda a minha experiência, o meu estudo,
sou eu mesma que, em solidão paciente,
recolho do que em mim observo e escuto
muda lição, que ninguém mais entende.

O que sou vale mais do que o meu canto.
Apenas em linguagem vou dizendo
caminhos invisíveis por onde ando.

Tudo é secreto e de remoto exemplo.
Todos ouvimos, longe, o apelo do Anjo.
E todos somos pura flor de vento.


Por Cecília Meireles.

2 de jul de 2011

Aos companheiros da jornada!



Hoje meu post é dedicado a todas as minhas amigas e meus amigos, que me amam, que me fortalecem, e que me ensinam, que viver a vida cercada de pessoas, é muito mais gostoso do que vivê-la sozinha!
Que discordam de mim, que brigam comigo, que me mostram o quanto eu tenho valor, que enxugam minhas lágrimas, que estão dispostos a me ajudar, SEMPRE.
Que me apertam, que me batem, e que me mordem.
Obrigada, pelas palavras.
Obrigada, pelo carinho.
Obrigada, pelas risadas. MUITO OBRIGADA POR ME FAZEREM GARGALHAR O TEMPO TODO.
Obrigada por me mostrarem, que uma perda não dura mais do que eu possa aguentar.
Obrigada, pelos olhares. Pela sintonia, e pela hegemonia.


Eu amo vocês, do fundo do meu coração. Vocês são meus amores que ficam, que grudam, que estão entranhados na minha pele.

"A amizade é um amor que nunca morre." Mário Quintana.



RAIVA!